"Speak softly and carry a big stick" Theodore Roosevelt

.posts recentes

. Depois do Inglês técnico....

. Então tem o lugar assegur...

. Viram-se gregos

. Relógios, chocolate e que...

. Eleições europeias 2009

. No fundo do poço

. Desvitalizado

. Eles, europeus

. Classe e bom gosto

. Quanto mais se baixa mais...

.arquivos

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

Quarta-feira, 3 de Fevereiro de 2010

Depois do Inglês técnico...

Como se já não bastasse ter conduzido o país a uma situação próxima do desastre e à desconfiança dos organismo internacionais, o nosso Primeiro-Ministro pretende afundar ainda mais a imagem do país e tornar-nos, definitivamente, na piada da Europa. Em recente entrevista ao jornal francês Libération, Sócrates diz:

 

"Questiono-me porque é que (esses analistas das agências) não se preocupam com a situação no Reino Unido, nos Estados Unidos, já para não falar do Japão, onde as contas públicas sofreram uma degradação bem maior do que em Portugal."

 

Disse isto com um ar sério e composto, suponho. Sem se rir. Que o Primeiro-Ministro passeie calmamente a sua ignorância por cá já é suficientemente mau, mas escusava de o fazer no estrangeiro.

 

publicado por bmptavares às 01:53
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 16 de Janeiro de 2010

Então tem o lugar assegurado

Constâncio diz que escolha para o BCE não é por mérito (economico.sapo.pt/noticias/constancio-diz-que-escolha-para-o-bce-nao-e-por-merito_78822.html).

publicado por bmptavares às 20:30
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 22 de Dezembro de 2009

Viram-se gregos

Nos últimos anos, a Grécia apostou forte em grandes obras públicas de que são exemplos o novo aeroporto de Atenas e as infraestruturas para os Jogos Olímpicos. A Grécia está em bancarrota...

Pena é que, o Sr. Engenheiro só se encante com os exemplos dos países nórdicos... Se olhasse para a Grécia talvez suspeitasse que a aposta em grandes investimentos e obras públicas não seja o caminho certo para sair do buraco mas antes para nos enterrarmos ainda mais.

publicado por bmptavares às 04:30
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 3 de Dezembro de 2009

Relógios, chocolate e queijo

Eu ainda gostava de entender porque é que a UE tanto se preocupa em extirpar qualquer sinal cristão das nossas vidas e fica tão escandalizada com a proibição de construção dos minaretes na Suíça... Tenho pena é dos suíços que vão começar a ser olhados de lado pelas boas mentes europeias, como se se tratassem de carcereiros nazis, simplesmente porque se atreveram a pensar contra a ortodoxia oficial. De qualquer forma, estou convencido que, à boa maneira europeia, se há-de repetir o referendo até os desgraçados acertarem com o resultado.

Pequeno e demagógico parênteses: gostava de saber o que pensariam as boas mentes do multiculturalismo se, por hipótese, se pretendesse contruir uma igreja cristã (com uma bela torre de 50 metros e um sonoro sino de bronze) - digamos - em Meca...

publicado por bmptavares às 02:05
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 9 de Junho de 2009

Eleições europeias 2009

As noites de eleições nem sempre são esclarecedoras mas são sempre divertidas. Apesar de não ter acompanhado continuamente o serão televisivo, aqui ficam alguns comentários.

1) Ainda bem que o PSD ganhou. A vitória foi fruto do esforço de Paulo Rangel e de Manuela Ferreira Leite e prova que, apesar de tudo, a seriedade, a contenção e a elevação ainda valem alguma coisa para os portugueses. Apesar disso, fica a dúvida sobre o que se passará no PSD com Paulo Rangel no PE;

 

2) Ainda bem que o PS perdeu. Escolheu um candidato cabeça-de-lista desadequado a participar em qualquer coisa que envolva eleições (evento que, claramente, abomina), que conduziu uma campanha deplorável, rasteira e pouco edificante. Podia retirar-se para o seu lugarzito em Estrasburgo com alguma dignidade (ao contrário do que pensa, em actos eleitorais não há humilhações) mas nem isso conseguiu: despediu-se com um discurso oco, titubeante e servil, indigno de um homem da sua estatura intelectual. Já para não falar na deselegância de não ter cumprimentado pessoalmente o vencedor...

 

3) A maior fraude política da história da democracia portuguesa conseguiu mais de 10% dos votos. O crescimento do BE pode ter atingido o seu zénite, inflacionado pelo voto de protesto que regressará à origem nas legislativas; mas pode ser também o início de aproximação do BE ao poder. O que eu gostava de saber é como uma agremiação de radicais de esquerda, que defenderam (ou defendem) os regimes mais sanguinários da História, se transformaram nos arautos da "esquerda moderna"! Juntamente como PCP atingem mais de 20% dos votos. Isto significa que, em pleno século XXI, por cada 100 portugueses votantes existem 20 que acreditam o comunismo (qualquer que seja a sua forma) é a melhor solução. Mais uma singularidade portuguesa. Pobre país. Se mais necessidade houvesse de demonstrar o atraso nacional, aqui está mais um exemplo. Brinquem com o fogo, brinquem. Depois queixem-se que se queimam;

 

4) Aparentemente, a morte do capitalismo foi novamente adiada. Por toda a Europa, a direita venceu (quer estivesse no governo, quer na oposição). E isto leva-nos a várias conclusões curiosas: a primeira é que a crise não é pretexto para o mau desempenho eleitoral dos governos, mas a crise portuguesa é; a histeria estatista da moda parece mais desejada pelos teóricos e pelos jornais do que pelos cidadãos; apesar da viragem à esquerda nos EUA (apesar das diferenças) e do charme Obama, a Europa decidiu rumar à direita. O futuro dirá qual foi a melhor escolha...

 

5) Por fim, uma palavra de apreço às empresas de sondagens. Por causa delas, tivemos direito a uma noite eleitoral cheia de surpresas e reviravoltas. A elevada abstenção não explica tudo, meus senhores...

publicado por bmptavares às 02:45
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 13 de Maio de 2009

No fundo do poço

Ao ver ontem o programa da SIC Nós por cá, fiquei escandalizado com a chamada "Lei dos Poços". Trata-se de mais uma palermice burocrática emitida por Bruxelas e que o Estado português foi lesto a transpor para a legislação nacional. A coisa é de tal forma mal feita que seria cómica se não fosse trágica. Então é o seguinte: sob o pretexto de inventariar os recursos hídricos do subsolo nacional, o Estado obriga os proprietários de poços, minas, furos, albufeiras, charcos, etc. a registá-los. A ecologia serve para muita coisa. Neste caso, serve para explorar um pouco mais os cidadãos e, de caminho, alargar ainda mais a intromissão do Estado na vida de cada um.

 

Problema 1: a lei foi aprovada, publicada em Diário da República mas ninguém sabia. As Câmaras Municipais e as Juntas de Freguesia estão mal informadas e, logo, não conseguem dar resposta às dúvidas dos proprietários;

 

Problema 2: como é evidente, esta lei abrange, maioritariamente, pessoas idosas e pouco letradas (que ainda mantêm pequenas hortas e quintais). Por isso, exigia o bom senso uma explicação simples e próxima da lei;

 

Problema 3: aparentemente, os formulários que devem ser preenchidos são ininteligíveis e inadequados a algumas situações, implicando a sua adaptação e complicando ainda mais o processo; além disso, a documentação exigida aproxima-se do irreal: coordenadas exactas do local, planta à escala de 1:25000; projecto, ...

 

Problema 4: os responsáveis pela aplicação da medida são as Adiminstrações de Região Hidrográfica. Acontece que os funcionários destas administrações não conseguem esclarecer as pessoas (a este respeito, ficam para a posteridade as respostas dadas a uma jornalista da SIC: "vá ver ao nosso site; vá ao Google Earth tirar as coordenadas..."). Demonstra não só a proverbial impreparação dos funcionários públicos, mas também o desfasamento à realidade: a esmagadora maioria das pessoas abrangidas não tem acesso à Internet, não sabe ler nem escrever, ...);

 

Problema 5: as coimas. Para os particulares, qualquer coisa entre os 25.000 e os 37.500 euros!

 

Uma triste ideia da burocracia de Bruxelas consegue tornar-se numa trapalhada inqualificável em Portugal.

publicado por bmptavares às 02:42
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 22 de Abril de 2009

Desvitalizado

Depois de ver o Prós & Contras, ficamos esclarecidos quanto à elevação do debate proposta pelo Professor Vital Moreira. Aqueles que antecipavam um discurso instrutivo e elevado sobre a matéria, devido à projecção académica da figura ("É um professor de Coimbra", bradava Almeida Santos) esqueceram-se de um detalhe: a polítca corrói quase sempre a lisura intelectual. Acresce o facto de que, quem passou pelas escolas estalinistas, nunca perde os tiques: o ataque pessoal, o moralismo, o fraco apego aos factos e a maleabilidade da verdade.

publicado por bmptavares às 03:02
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 20 de Abril de 2009

Eles, europeus

 

Parece que o Professor Vital ficou muito incomodado com o facto de o cabeça de lista do PSD ter dito que se discutiriam questões internas, durante a campanha para as eleições europeias. É curioso, porque é uma novidade. Quero dizer, o facto de o Professor querer discutir a Europa é uma novidade. Senão, vejamos:"Os que defendem o referendo sobre o Tratado de Lisboa já experimentaram lê-lo? E acham que algum cidadão comum consegue passar da segunda página?" Quem assim se questionava era o Senhor Professor Vital Moreira e assim justificava que o Tratado fosse aprovado pelo Parlamento, sem muita discussão e sem muitas perguntas. Perguntas que - estou convencido - poucos deputados estariam em condições de responder. Aparentemente, o Professor confia mais no discernimento dos deputados do que no dos cidadãos. Lá terá as suas razões. Eu tenho as minhas para acreditar no contrário.

Para além do aparente desprezo do Professor Vital pela populaça iletrada, avulta claro o conceito que o Professor tem da Europa: um conjunto (restrito) de iluminados que decidem o nosso futuro no recolhimento dos gabinetes de Bruxelas. Tendo em conta o percurso político do Professor Vital Moreira não espanta que assim seja. O conceito de cidadão é apenas instrumental; o que importa é o discernimento iluminado dos burocratas e teóricos. É o caminho e o método de uma certa Europa. Neste particular, não há dúvida que o Professor Vital é um europeísta encartado. Mas o "novo homem europeu" (expressão que fez sucesso entre alguns leitores) não abomina terminantemente a consulta aos cidadãos; trata-se, sem dúvida, de um escolho incómodo mas que pode contornar-se, respeitando as regras da democracia. O processo é simples: repete-se a votação até se obter o resultado desejado. As consciências aplacam-se (afinal, foi a vontade dos cidadãos) e o resultado é alcançado.

 

publicado por bmptavares às 16:56
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 14 de Abril de 2009

Classe e bom gosto

 

 

causa-nossa.blogspot.com/2009/04/o-psd-de-verdade.html

 

"Não encontro na net, para aqui deixar devidamente ilustrada, a imagem desse PSD DE VERDADE que nos vai assombrando aí pelas esquinas e rotundas. Refiro-me aos "outdoors" admoestantes da soturna Dra. Manuela Ferreira Leite, trajando de castanho sombrio sobre fundo cinzo-castanho-acabrunhante, carregado ainda pelo contraste com fina estria alaranjada que tudo enquadra.Duas perguntas: Com "outdoors" destes, para que precisa a Dra. Manuela Ferreira Leite de Luises Filipes Menezes? Não poderá o PSD rentabilizar o "outdoor" oferecendo a concepção gráfica à Servilusa ou congènere cangalheira?"

 

A eurodeputada-megafone em todo o seu esplendor. É um género. Há quem aprecie.

publicado por bmptavares às 03:25
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 7 de Abril de 2009

Quanto mais se baixa mais mostra o ...

 

Ao que parece o senhor da fotografia acima (Anders Fogh Rasmussen, ex-primeiro ministro dinamarquês) quer muito um empregozinho na NATO. Quer tanto que não teve nenhum pudor em rebaixar-se, rebaixar o seu país, rebaixar a Europa com umas desculpas vergonhosas à Turquia por causa do famigerado cartoon. As suas desculpas são, antes de mais, um rigoroso retrato do carácter e da estatura política do sujeito. Mas, mais do que isso, representam o desprezo do "novo homem europeu" pelos valores com que se construiu o maior e mais duradouro espaço de liberdade do planeta (as democracias liberais). Este senhor pediu desculpas por viver num país que respeita a liberdade de expressão e que separa os assuntos de Estado dos assuntos religiosos.

 

 

Por outro lado, esta situação só vem demonstrar que a Turquia não está preparada para fazer parte da União Europeia, por muito que isso custe a algumas almas bem intencionadas. Um país que não respeita as regras mais básicas da construção europeia (respeito pelas liberdades dos indivíduos, separação de Igreja e Estado, tolerância) não pode fazer parte dessa construção.

 

publicado por bmptavares às 02:11
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
25
26
28
29
30

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds