"Speak softly and carry a big stick" Theodore Roosevelt

.posts recentes

. ...

. Subtilezas

. O Incrível Hulk

. Quando a Arte era Arte 4 ...

. Stars

. Às escuras

. Al Capone

. Anda tudo maluco

. I beg your pardon?

. Não, não é estranho

.arquivos

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

Quarta-feira, 24 de Junho de 2009

Quando a Arte era Arte LVI - Pintura

Retrato do Reverendo Robert Walker patinando no gelo (1784)

Sir Henry Raeburn

National Gallery of Scotland (Edimburgo)

tags: ,
publicado por bmptavares às 03:29
link do post | comentar | favorito
|

Para desanuviar...

Katy Perry

tags:
publicado por bmptavares às 03:28
link do post | comentar | favorito
|

CR1 000 000 000

 

O assunto mais falado dos últimos tempos foi a contratação de Cristiano Ronaldo pelo Real Madrid e afins: a suposta obscenidade dos valores envolvidos, a aparente obscenidade de Paris Hilton, a patente obscenidade da falta de gosto do garoto ou a emudecedora obscenidade do valor da cláusula de rescisão. Pois, tudo muito interessante... para o próprio. Sobre isto só me ocorre dizer: eu gastaria todo aquele dinheiro tão melhor do que ele...

 

publicado por bmptavares às 03:11
link do post | comentar | favorito
|

Milhões da RTP

A RTP é uma vergonha! É um sorvedouro de dinheiros públicos (400 milhões por ano) que ninguém parece contestar. Além disso, ainda absorve uma parte da publicidade disponível. Como é possível gastar tanto dinheiro por ano? Esse conceito obscuro que é o "serviço público" serve de pretexto a todos os desmandos e alarvidades. Simplesmente, esse pretexto garante uma cultura de desperdício de meios sem nenhum sentido. As duas últimas preciosidades saídas das cabeças que comandam a estação pública ilustram na perfeição por onde se escoa o dinheiro dos contribuintes: a primeira foi esta ideia peregrina de pregar com um monte de pessoas no fundo de uma mina (depois de ver o programa, a ideia não me pareceu tão disparatada...). Alguém consegue calcular a quantidade de meios que foi necessário deslocar (deslocação que, suponho, teve dificuldades acrescidas)? Esse gasto seria estritamente necessário? Outro escândalo é a nova "xaropada" sem graça que arranjaram para justificar o salário de Catarina Furtado. Trata-se de um concurso pobrezinho, onde seis "celebridades" brincam a uma espécie de "trivial pursuit" musical. Dito assim, seríamos levados a pensar que tudo se passava num estúdio modesto, com meia dúzia de figurantes a aplaudirem. Qual quê? Isso é para as estações privadas, de orçamentos apertados. Na esbajadora RTP, a coisa justifica banda ao vivo, cantores, corpo de bailarinos, duzentas pessoas a assistir, primeira figura da casa a apresentar, horário nobre. Ou seja, um programa de entretenimento saído dos serões dos anos 60 justifica uma produção milionária.

publicado por bmptavares às 02:51
link do post | comentar | favorito
|

E virou!

Por imperativos profissionais e, mais recentemente, por causa de uns diazinhos de férias, estive afastado deste blog. Também vi pouca televisão, praticamente não li jornais (bom, confesso que não é só nas férias...). Agora que voltei parece que cheguei a um país diferente. Senão vejamos: o Primeiro Ministro mudou, não por efeito de eleições mas para efeito de eleições. Ou seja, a patética mudança no discurso de Sócrates é apenas a alteração mais visível. Daqui em diante, até às eleições legislativas, o Primeiro Ministro vai recuar ou contornar todos os assuntos que lhe possam retirar votos. E, acima de tudo, vai distribuir dinheiro. Afinal, o animal feroz travestiu-se de coelhinho felpudo. Nada de estranhar vindo de um político "profissional". Acontece é que ninguém acredita.

Aparentemente, a líder da oposição também mudou. Aqui há uns tempos era doutrina indiscutível que a senhora não tinha jeito para a política, era cinzenta, maçadora, sem rumo, não passava a mensagem e, amiúde, provocava pouco menos do que aversão nos eleitores. Pois. Ganhar eleições confere um certo charme, não é verdade? Agora a líder já serve, tem um discurso sério (vejam só, até os economistas mais reputados lhe dão razão) e, segundo opinião abalizada, até tem um excelente marketing...

publicado por bmptavares às 02:37
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 10 de Junho de 2009

Quando a Arte era Arte LV - Pintura

Virgem e o Menino (c. 1503)

Rafael

Norton Simon Museum of Art (Pasadena - EUA)

tags: ,
publicado por bmptavares às 02:16
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 9 de Junho de 2009

Eleições europeias 2009 - II

Como sempre o meu querido concelho de Proença-a-Nova não desiludiu:

 

PPD/PSD - 47,67%

 

PS - 24,63%

 

CDS-PP - 7,75%

 

BE - 5,44%

 

PCP-PEV - 1,96%

 

 

publicado por bmptavares às 03:20
link do post | comentar | favorito
|

Eleições europeias 2009

As noites de eleições nem sempre são esclarecedoras mas são sempre divertidas. Apesar de não ter acompanhado continuamente o serão televisivo, aqui ficam alguns comentários.

1) Ainda bem que o PSD ganhou. A vitória foi fruto do esforço de Paulo Rangel e de Manuela Ferreira Leite e prova que, apesar de tudo, a seriedade, a contenção e a elevação ainda valem alguma coisa para os portugueses. Apesar disso, fica a dúvida sobre o que se passará no PSD com Paulo Rangel no PE;

 

2) Ainda bem que o PS perdeu. Escolheu um candidato cabeça-de-lista desadequado a participar em qualquer coisa que envolva eleições (evento que, claramente, abomina), que conduziu uma campanha deplorável, rasteira e pouco edificante. Podia retirar-se para o seu lugarzito em Estrasburgo com alguma dignidade (ao contrário do que pensa, em actos eleitorais não há humilhações) mas nem isso conseguiu: despediu-se com um discurso oco, titubeante e servil, indigno de um homem da sua estatura intelectual. Já para não falar na deselegância de não ter cumprimentado pessoalmente o vencedor...

 

3) A maior fraude política da história da democracia portuguesa conseguiu mais de 10% dos votos. O crescimento do BE pode ter atingido o seu zénite, inflacionado pelo voto de protesto que regressará à origem nas legislativas; mas pode ser também o início de aproximação do BE ao poder. O que eu gostava de saber é como uma agremiação de radicais de esquerda, que defenderam (ou defendem) os regimes mais sanguinários da História, se transformaram nos arautos da "esquerda moderna"! Juntamente como PCP atingem mais de 20% dos votos. Isto significa que, em pleno século XXI, por cada 100 portugueses votantes existem 20 que acreditam o comunismo (qualquer que seja a sua forma) é a melhor solução. Mais uma singularidade portuguesa. Pobre país. Se mais necessidade houvesse de demonstrar o atraso nacional, aqui está mais um exemplo. Brinquem com o fogo, brinquem. Depois queixem-se que se queimam;

 

4) Aparentemente, a morte do capitalismo foi novamente adiada. Por toda a Europa, a direita venceu (quer estivesse no governo, quer na oposição). E isto leva-nos a várias conclusões curiosas: a primeira é que a crise não é pretexto para o mau desempenho eleitoral dos governos, mas a crise portuguesa é; a histeria estatista da moda parece mais desejada pelos teóricos e pelos jornais do que pelos cidadãos; apesar da viragem à esquerda nos EUA (apesar das diferenças) e do charme Obama, a Europa decidiu rumar à direita. O futuro dirá qual foi a melhor escolha...

 

5) Por fim, uma palavra de apreço às empresas de sondagens. Por causa delas, tivemos direito a uma noite eleitoral cheia de surpresas e reviravoltas. A elevada abstenção não explica tudo, meus senhores...

publicado por bmptavares às 02:45
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 2 de Junho de 2009

Vontade de mudança?

Os portugueses adoram dizer mal dos políticos. Mas parecem não perceber que, com isso, também dizem mal de si mesmos, porque os políticos são um espelho da sociedade de que fazem parte. Já aqui o escrevi: em democracia, cada país tem os políticos que merece. E, muito honestamente, parece-me que os portugueses têm pouca vontade de mudar. Se não vejamos: em todas as sondagens, apesar de tudo, o PS surge em primeiro lugar nas intenções de voto. Apesar do descrécimo dos últimos meses, não parece demasiadamente afectado não só pela crise mas, mais importante, pelo péssimo desempenho dos governantes, pela perturbadora aparência de autoritarismo e controlo, pela sucessão de "casos" e gaffes, etc. Num país normal, o PS saíria fortemente penalizado nas sondagens. Veja-se o que se passa em Inglaterra. Com o Parlamento envolvido num grande escândalo, com um governo inoperante e que combate a crise onerando ainda mais os contribuintes, o Partido Trabalhista surge em 3º lugar nas sondagens (nalguns casos com 12 a 15% dos votos). O caso é ainda mais insólito quando o PS apresenta um cabeça de lista decepcionante, sem propostas, sem ideias, cuja acção se centra no ataque à oposição e no débito de duas ou três vulgaridades sobre o "país positivo".

Quanto ao PSD - que tem um bom cabeça de lista - ainda sofre (e sofrerá) dos estragos causados por Santana Lopes e Luis Filipe Menezes. Junta-se a isto a total alergia que os portugueses têm por políticos sérios e formais (o maior erro político da actualidade é não ser cool e optimista - em suma, um pateta alegre), como o são Paulo Rangel e Manuela Ferreira Leite.

Um país europeu, que quer fugir do endémico atraso económico, que tem que competir com inúmeras economias emergentes (não só na Europa de Leste mas no Mundo), que quer melhorar a educação, a saúde; um país que, em última análise, se quer desenvolver e que, simultaneamente, dá quase 20% à extrema-esquerda anti-democrática, está condenado ao fosso. A vontade dos cidadãos é soberana, em democracia, mas isso não sognifica que as suas escolhas sejam as melhores. Nós, que adoramos importar tanta coisa, não aprendemos nada com os outros países desenvolvidos, politicamente falando. Não há, nem nunca houve e certamente nunca haverá país no mundo que se tenha desenvolvido e proporcionado bem estar aos seus cidadãos, conferindo 20% à extrema-esquerda (haverá algum investimento estrangeiro que resista? Haverá alguma liberdade que não corra sérios riscos? Como seriam as relações de Portugal com os outros países, com as instituições internacionais?) e quase eclipsando o único partido democrata-cristão (e com laivos liberais) que existe no panorama político nacional. Mais uma vez, tomemos como exemplo a Inglaterra: perdida a confiança no governo Trabalhista, os eleitores viram-se para a alternativa mais fiável (os Conservadores) e para um terceiro partido (que agora seria o 2º mais votado). E é esse partido de extrema-esquerda ou de extrema-direita? Não, são os Democratas Liberais.

Dir-me-ão que nós não temos que seguir os outros, nem temos a história política da Inglaterra. Podem também argumentar que o êxito dos partidos é fruto do seu mérito ou demérito. Bom, a questão do mérito é discutível (muitas vezes, o crescimento eleitoral é penas fruto da mais rasteira demagogia). Mas, convenhamos que esses argumentos são verdadeiros. Então, cada um terá de arcar com as consequências das suas escolhas e não atirar as culpas para cima dos outros, como muito apraz fazer aos meus caros concidadãos.

publicado por bmptavares às 02:41
link do post | comentar | favorito
|

Isto está quente está...

 
Aquecimento global volta à agenda com 18 em reflexão
Negociadores de 181 países começaram hoje a trabalhar no primeiro esboço do novo tratado para o combate ao aquecimento global, depois de 18 meses de discussão em torno dos princípios deste documento.
 
 
 É impressão minha ou o aquecimento global só volta à agenda no Verão? Durante os rigores do Inverno nem um pio. Parece-me é que há muita gente interessada em assegurar mais um ano de subsídios...
publicado por bmptavares às 02:38
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
25
26
28
29
30

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds